Ir para o conteúdo

Expedição Amazônia

Sinta a viagem: os registros de Ricardo Martins na paradisíaca Ilha de Marajó - PA

Por: Equipe Vai por Mim + Ricardo Martins

| 24 de Outubro

Veja os registros fotográficos de Ricardo Martins em um destino paradisíaco pertencente à Floresta Amazônica: a Ilha de Marajó - PA

Nada mais surpreendente que um lugar banhado pelo mar e por rios, cercado pela selva onde animais convivem em seu habitat próprio. Só podemos estar falando de um destino paradisíaco pertencente à Floresta Amazônica: a Ilha de Marajó, no Pará.

A Floresta Amazônica é um dos ambientes de maior diversidade do mundo, não só do território brasileiro.

Neste episódio da série Sinta a Viagem, nosso parceiro de aventuras excêntricas e fotógrafo de natureza, Ricardo Martins, dá continuidade à expedição pela Amazônia e nos convida a presenciar um espetáculo de paisagem, gastronomia, biodiversidade e artesanato em um só local.

Vamos embarcar nesta viagem? Se liga no que Martins conheceu por lá!

Continua depois da Publicidade

O que tem na Ilha de Marajó - PA?

É difícil imaginar, mas existe um paraíso amazônico que guarda muitas surpresas, com uma fauna um pouco inusitada. A presença de búfalos circulando pelas ruas é um exemplo da singularidade desse cantinho paraense. E as lentes de Ricardo Martins também passearam pelos mangues, igarapés, lagos e praias.

  • Lembrando que a jornada do nosso parceiro começou na capital paraense. Em Belém do Pará, Martins explorou a culinária regional, mergulhou na cultura do povo e fotografou os animais.

A Ilha de Marajó, no norte do Pará, é a maior ilha fluviomarítima do mundo, isto é, onde as águas do rio e do mar se encontram. Com aproximadamente 50 mil quilômetros quadrados de extensão e mais de 500 mil habitantes, ela é banhada pelos rios Tocantins e Amazonas, de um lado, e pelo Oceano Atlântico de outro.

Imagem da praia na Ilha de Marajó, com coqueiros e vegetação em frente ao mar de coloração escura. Céu azul ao fundo.
A Ilha de Marajó é tão rara quanto bela (Fotografia de Ricardo Martins)

Entre água doce e salgada, o arquipélago é composto por mais de 2 mil ilhas e ilhotas, a Marajó é a principal delas. A região contém 12 cidades, sendo sua capital informal o município de Soure. É um refúgio que guarda elementos muito marcantes: culinária típica, tradição marajoara, animais peculiares, tudo isso como parte da Floresta Amazônica.

+ Amazônia Mato-Grossense: uma experiência inesquecível na floresta tropical

+ Faça uma imersão em Anavilhanas, no coração do Amazonas

Com tanta natureza ao redor, já é de se esperar que algumas unidades de conservação ambiental estejam situadas em Marajó. São elas:

  • Parque Estadual Charapucu
  • Reserva Ecológica da Mata do Bacurizal e do Lago Caraparú
  • Reserva Extrativista Gurupá-Melgaço
  • Reserva Extrativista Mapuá
  • Reserva Extrativista Marinha de Soure
  • Reserva Extrativista Terra Grande - Pracuúba
  • Reserva de Desenvolvimento Sustentável Itatupã-Baquiá

E, afinal, como chegar à Ilha de Marajó - PA? Pois bem, o percurso até o arquipélago começa pelo aeroporto de Belém. De lá, é possível pegar barcos, catamarãs e balsas até Soure, em uma navegação que dura entre 2 e 3 horas.

Agora, vamos contar um pouco mais sobre curiosidades que, vai por mim, você só encontra por lá.

Turu, o molusco dos mangues de Marajó

Você já ouviu falar em turu? Trata-se de uma criatura um tanto exótica, uma iguaria da ilha. O turu é uma espécie de molusco encontrado nos mangues, que vive dentro dos troncos das árvores caídas.

Eles são coletados na maré baixa pelos catadores nativos da região, como o senhor Antônio, que nos apresentou esse fenômeno. Os turus costumam ter entre 10 centímetros e 1 metro de comprimento.

Os habitantes que consomem turu ensinam que se deve cortar a cabeça, remover as tripas e lavar o bicho com água. Depois de limpo, pode ser degustado com sal e limão ou em um caldo muito famoso na região.

O Ricardo experimentou e curtiu a novidade. E você, vai encarar? Ah, e dizem por aí que é um alimento afrodisíaco.

Imagem do mangue na Ilha de Marajó
Os turus vivem nos mangues do Marajó (Fotografia de Ricardo Martins)

Continua depois da Publicidade

Os búfalos são um símbolo da Ilha de Marajó - PA

Marajó concentra o maior rebanho de búfalos do Brasil, apesar de não ser um animal típico de nenhum dos nossos biomas. A Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), conduzida pelo IBGE, registrou cerca de 520 mil cabeças em 2016, número que representa 38% do total de búfalos no país.

Reza a lenda que eles chegaram ao território por meio de um navio vindo de terras indianas que naufragou e, por serem ótimos nadadores, os animais chegaram à costa e se adaptaram ao habitat. Essa é a versão lúdica, mas também acredita-se que foram trazidos pelos europeus.

Homem segura adorno que faz alusão à um búfalo em terreno da Ilha de Marajó.
Por fazerem parte do cotidiano e da história de Marajó, os búfalos também estão presentes nas representações culturais dos habitantes.

Além de atração turística, os búfalos servem como transporte inclusive para a polícia militar e coleta de lixo. A criação do gado gera couro, carne de búfalo, leite e derivados, movimentando a economia local no que tange a gastronomia e o artesanato.

Os animais costumam ser exportados para o Líbano, e também são transportados para os estados do Amapá e Maranhão para fins pecuários.

+ O encontro com os animais do Pantanal, com Ricardo Martins.

+ Chapada dos Veadeiros e o espetacular Cerrado brasileiro

Conheça a culinária tradicional do Marajó

A gastronomia regional tem sabores típicos, inigualáveis. A carne de búfalo é muito consumida na ilha, principalmente num prato chamado Filé à Marajoara, composto pelo filé mignon coberto por mussarela de búfala.

O Frito do Vaqueiro é outra receita tradicional, feita com a parte dianteira do animal, uma peça chamada pá. Ela é cortada em cubos e temperada com sal. O prato é bastante gorduroso e costuma ser conservado fora da geladeira, na própria gordura, da mesma forma que se conserva a carne seca.

Outra opção famosa na região é o Caldo de Turu. O molusco é semelhante à ostra e, além de ser degustado cru com sal e limão, também pode ser cozido em uma sopa com outros ingredientes que completam o sabor.

Na Ilha de Marajó, não poderiam faltar pratos à base de peixes do rio, já que a pesca é uma das atividades regionais. E, obviamente, as frutas típicas dão todo um gostinho especial às receitas.

Ricardo teve a honra de saborear um delicioso peixe de água doce grelhado acompanhado de molho de açaí. Nosso amigo fotógrafo provou e aprovou o prato Paraensíssimo preparado por uma chef local.

Ricardo Martins sentado à mesa saboreia o prato  Paraensíssimo, que é um peixe de água doce grelhado acompanhado de molho de açaí.
O prato Paraensíssimo, tradicional da região: peixe de água doce grelhado acompanhado de molho de açaí.

Perfeito para você

Receba dicas de roteiros de viagem e tudo sobre o universo dos automóveis no seu e-mail.

Esse site é protegido por reCAPTCHA. As Políticas de Privacidade e Termos de Serviço do Google se aplicam.
Oba! Valeu por ser inscrever. Logo mais você receberá nossas novidades no seu e-mail.

A cerâmica marajoara é o retrato da arte regional

Sabemos que Ricardo Martins domina a arte da fotografia, principalmente quando o assunto é a beleza das paisagens naturais. Mas será que o artista também se dá bem com trabalhos manuais?

Isso é que descobrimos com sua visita ao Ateliê do Ronaldo, um espaço que mantém viva a tradição da cerâmica marajoara. Olha, muito mais que a diversão de se desafiar em algo novo, esse tipo de artesanato carrega uma história.

A atividade era praticada pelos povos indígenas que habitavam o local entre os anos 400 e 1400. Historiadores comentam sobre registros de ocupação humana no Marajó em 5 fases, e uma delas eram os marajoaras, que deixaram como legado a tradição de produzir peças em cerâmica.

Alguns artefatos históricos dos marajoara podem ser apreciados em museus da região e fora dela, inclusive internacionalmente:

  • Museu Paraense Emílio Goeldi;
  • Museu do Marajó;
  • Museu Histórico Nacional (RJ);
  • Museu de Arqueologia e Etnologia da USP;
  • Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral;
  • Museu Americano de História Natural, em Nova York.
Fotografia de uma peça feita em cerâmica, representando um rosto humano.
A arte marajoara permanece viva na ilha (Fotografia de Ricardo Martins)

Além da cerâmica, o artesão que nos recebeu trabalha com esculturas feitas em madeira de aproveitamento. Sem dúvidas, essa atividade gera sustentabilidade e movimenta a economia local.

É, meus amigos, a expedição está só começando. O próximo destino de Ricardo Martins já tem nome, ou melhor, apelido. Martins segue viagem rumo ao Caribe Brasileiro, no interior da bacia amazônica - a maior bacia hidrográfica do mundo! Não perca o próximo episódio do nosso Projeto Amazônia!

Pela sua fauna e flora, a Amazônia é considerada pela comunidade científica um ambiente essencial para a saúde climática da América do Sul.

  • A maior floresta tropical do mundo já protagonizou outras viagens aqui no Vai por Mim. Vale a pena conferir a visita da Mel Fronckowiak ao sul da selva, no estado do Mato Grosso.

E se você é um amante de aventuras pelas estradas brasileiras, precisa conhecer os melhores carros aventureiros

Em breve a gente se encontra na próxima parada!

Expedição Amazônia

Sinta a viagem pelo ecossistema amazônico com o fotógrafo Ricardo Martins e conheça a natureza selvagem, a cultura local e os personagens que integram este diverso bioma brasileiro. 

Comentários

Esse site é protegido por reCAPTCHA. As Políticas de Privacidade e Termos de Serviço do Google se aplicam.
Seu comentário será verificado
e poderá ser publicado em breve.

Oportunidades imperdíveis

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao navegar você concorda com nossa política de privacidade. Saiba mais.